Como fazer a precificação da sua empresa: um guia passo a passo

Tempo de leitura: 5 minutos

Uma das principais dificuldades de muitos donos de empresas é saber como aplicar o verdadeiro valor de seu produto, de modo que se obtenha lucro e ainda seja interessante para o comprador realizar a transação em questão.

 

Você está com essa dificuldade e não sabe bem ao certo com fazer o cálculo correto? Confira abaixo um guia para que saiba mais sobre seus custos e tenha um melhor aproveitamento dentro de seu negócio.

 

Entenda seus custos

O primeiro passo para que você consiga cobrar o que realmente vale de seu produto e serviço é englobar todos os custos existentes dentro de sua empresa.

 

Identificação dos custos fixos e variáveis da empresa

Entenda quais são os custos fixos que existem dentro de sua organização, ou seja, tudo aquilo que deverá ser pago, independente de qual seja o lucro final do negócio, como:

Aluguel;
Conta de água, luz, internet e demais custos;
Salário dos colaboradores;
Pró-labore;
Matéria prima;
Despesas de cartão de crédito ou financiamentos.

Esses valores devem estar previstos dentro do orçamento para que possa cobrar o valor do produto vendido, pagando pelo menos o “piso” para que a companhia continue a ser frutífera e condizente com o projeto.

 

Depois disso, saiba quais são os custos variáveis, aqueles que podem mudar conforme o passar dos períodos, como:

Custos com a emissão de um boleto;
Embalagens;
Comissão de vendas.

Faça um média geral dos valores que podem ser mutáveis em sua companhia e tenha essa previsão inserida dentro do fluxo de caixa de sua empresa.

 

Ter esse planejamento financeiro é um dos primeiros passos de empreendedores de sucesso, afinal, tudo na vida deve ter um acompanhamento preciso para os momentos complicados sejam mais leves.

 

Agora, quando falamos sobre negócios e uma operação de uma corporação, é preciso ter mais cuidado ainda, afinal, é o gerador de vários empregos e também seu ganha pão, comandante.

 

Como calcular o custo de produção ou prestação de serviços

Para fazer o cálculo do custo de produção de um serviço, é preciso entender mais sobre a mão de obra direta de prestação de serviço, assim como todo o tempo gasto na execução e materiais usados no processo.

 

Veja abaixo mais sobre cada um desses pontos essenciais dentro de sua organização:

 

Mão de obra

Nesse ponto, é preciso saber calcular:

Salário bruto do prestador de serviço;
Quais são os encargos que estarão aplicados na folha de pagamento;
Benefícios pagos ao colaborador;
Equipamentos de segurança, uniforme e materiais utilizados no dia a dia da organização;
Custos com treinamentos, aulas e ensinos para os indivíduos;
Demais gastos existentes com os prestadores de serviços.

Depois disso, é preciso saber qual a quantidade de horas gasta pela empresa em todo esse processo, que pode ser feita por meio da seguinte fórmula:

Capacidade produtiva = Horas diárias de trabalho x Dias úteis de trabalho;
Capacidade produtiva = 8 horas x 30 dias (1 mês de trabalho);
Capacidade produtiva = 240 horas.

Agora, é preciso saber quanto custa cada hora de trabalho, usando o seguinte cálculo:

Custo por hora = Total gasto com funcionários ÷ Total de horas disponíveis para venda;
Custo por hora = R$10.000,00 ÷ 240;
Custo por hora = R$41,60.

Materiais usados

Se qualquer tipo de material seja usado durante a prestação de serviço, é essencial que aconteça essa soma de custo, principalmente quando não se há a necessidade desse item estar em estoque.

 

Valor do custo de serviço e horas estimadas

Por fim, você deve saber qual é a quantidade total de horas estimada para que o serviço aconteça, multiplicando assim pelo custo de hora existente e a soma dos materiais.

 

Veja abaixo a fórmula que deve ser usada nesse caso:

Custo do serviço = (Custo por hora x Quantidade de horas estimadas) + Custo dos materiais
Custo do serviço =  (R$ 30,00 x 8 horas) + R$100,00
Custo do serviço = R$340,00.

É primordial que esse cálculo seja feito de forma precisa, visto que quem irá cobrir essa quantia é o seu cliente e não a empresa.

 

Conheça seus concorrentes

Comandante, você tem feito a observação de seus concorrentes e como o nicho que atua está funcionando?

 

Esse é um dos pontos de maior importância para que você possa ver o que aplicar de novo dentro de sua empresa, quais são os processos que precisam ser modificados e ter insights únicos.

 

Pesquisa de mercado e análise da concorrência

Tenha uma lista certeira de quem são os concorrentes diretos de sua companhia, depois disso, faça em períodos cravados uma análise profunda do que está acontecendo.

 

Identificação dos diferenciais da empresa em relação aos concorrentes

Quais são os pontos que tornam a sua companhia mais atraente no momento de escolha de compra ao invés dos outros vendedores?

 

É esse ponto que deve ser explorado e servir de chamariz para que os clientes sintam-se interessados mais em seu produto do que no do concorrente.

 

Mas, se você não conseguiu pensar em nada muito certo, esse é um sinal de cuidado! Para que sua organização tenha sucesso, é preciso que algo único exista e torne-a mais singular!

 

Análise de demanda e oferta

Por fim, não deixe de verificar mais sobre a demanda e a oferta que a sua empresa e o nicho atuante está ofertando no momento.

 

Por exemplo: se o seu negócio vende sorvetes, que tal investir também na venda de casquinhas, cobertura, utensílios para degustar a massa e tantos outros desdobramentos que expandam sua marca?

 

Identifique o público-alvo

Você sabe quem é a pessoa que se interesse e efetivamente compra o seu produto?

 

Saber quem é o seu público-alvo é o passo que diferencia aquelas empresas amadoras das que realmente vieram para ficar no mercado.

 

Por isso, saiba explicitamente quais são os detalhes de quem costuma comprar de sua marca, e melhor ainda, fidelizar essas pessoas, como:

Idade;
Sexo;
Local;
Costumes e hábitos;
Formas de comprar os produtos.

E tudo aquilo que possa aproximar você mais ainda desse comprador e mantê-lo afiliado a seu negócio e a experiência adquirida.

 

Escolha a estratégia de precificação certa

Você sabe como será a precificação que chamará a atenção de seu comprador? Existem várias formas de aplicação:

Começar com valores mais baixos para que o cliente se interesse e compre o item, fidelizando-se com a qualidade;
Ter um valor médio e investir em propaganda, marketing e outros meios para que possa conhecer o produto;
Valores dinâmicos, onde existem promoções e valores promocionais para que possa explorar ambos os clientes, aqueles temporários e aqueles que não vão trocar seu serviço pelo concorrente.

Além disso, você pode encontrar a forma que melhor funciona para a sua companhia, desenvolvendo meios únicos e que funcionem melhor para a dinâmica de venda.

 

Ajuste seus preços ao longo do tempo

Por fim, porém nem um pouco menos importante, é essencial que você sempre faça uma avaliação dos custos da matéria prima e das evoluções do seu produto/serviço, ajustando os valores.

 

Assim como tudo tem seus valores elevados, seu item também não deve ficar abaixo do mercado, o que só acabará “sucateando” sua equipe, a qualidade oferecida e a relação com o próprio comprador.

 

Quer saber mais sobre como aplicar o valor certeiro em seu negócio e obter o melhor aproveitamento em sua empresa? Continue acompanhando nossos conteúdos aqui no blog EAG.

 

Além disso, não deixe de verificar mais em nosso canal do YouTube nossas dicas e comece a ter uma empresa autogerenciável!

O post Como fazer a precificação da sua empresa: um guia passo a passo apareceu primeiro em Blog EAG.

Tempo de leitura: 5 minutos Uma das principais dificuldades de muitos donos de empresas é saber como aplicar o verdadeiro …
Leia Mais
O post Como fazer a precificação da sua empresa: um guia passo a passo apareceu primeiro em Blog EAG.

Deixe um comentário