Indicadores de desempenho: 10 métricas para acompanhar na empresa

Empresário conferindo indicadores de desempenho empresarial desenhados de forma ilustrativa com símbolos tecnológicos numa dashboard

Compartilhe esse conteúdo

Tempo de leitura: 12 minutos

Uma das formas mais comuns de conseguir verificar o crescimento da empresa é por meio dos indicadores de desempenhos.

 

Mas, o que são eles? Se você quer saber exatamente do que se tratam, continue lendo esse artigo e saiba informações precisas sobre como fazer a gestão de KPIs no seu negócio!

 

O que são indicadores de desempenho?

 

Indicadores de desempenho são compostos de várias medidas que as empresas realizam como parâmetro para análise de suas performances ao longo do tempo.

 

Dessa forma, esse histórico de dados é utilizado para determinar se aconteceu o crescimento dos resultados e qual foi o progresso atingido dentro dos objetivos traçados.

 

Assim, eles são as metas usadas como base para o crescimento da empresa, direcionando os próximos passos sempre que há dúvidas do que deve ser feito e criando metas plausíveis.

 

Indicadores de desempenho e KPIs são a mesma coisa?

Sigla KPI desenhada num quadro com elementos que simbolizam tipos de indicadores de desempenho de uma empresa. Sobre a mesa, uma calculadora e óculos sinalizando ambiente de trabalho

É importante entender que tanto as métricas e os KPIs são utilizados no planejamento estratégico de uma empresa, indicando assim os melhores caminhos de gestão.

 

As métricas são usadas como base para o KPIs, assim, geram uma melhor continuidade para as informações, indo além e dando mais credibilidade as estratégias traçadas ao negócio.

 

De uma forma simplificada, as métricas são as questões recolhidas em estado bruto, enquanto os KPIs são definidos pelos gestores para analisar o desempenho e os resultados finais do negócio.

 

É importante destacar que a avaliação do desempenho é realizada por meio da interpretação feita pelas métricas e KPIs.

 

Geralmente os KPIs tem associação às metas de conversão, inseridos em relatórios para apresentar quais foram os resultados obtidos.

 

Veja um exemplo abaixo mais prático para compreender essa diferença:

  • Métrica: número de funcionários;
  • KPI(Key Performance Indicator): qual é a produtividade dos funcionários baseando-se no tempo que leva-se para executar as atividades em comparação com os resultados.

Qual a importância dos indicadores de desempenho?

A principal importância dos indicadores de desempenho dentro das empresas é o de fazer com que o negócio esteja em crescimento de forma contínua, seguindo quais foram os objetivos traçados – seja a curto, médio ou longo prazo.

 

Eles também podem e devem ser utilizados no dia a dia da empresa, de forma a acompanhar quais são as evoluções do trabalho e até mesmo o que precisa ser melhorado.

 

Dessa forma, tem-se uma visão ampla e completa sobre a empresa, tomando as próximas decisões com base em índices e dados seguros.

 

Os indicadores de desempenho são classificados como ótimos comunicadores, tanto para o que deve ser modificado quanto para quando o caminho que está sendo traçado está correto.

 

Tipos de indicadores de desempenho empresarial

Empresário consultando tipos de indicadores de desempenho em notebook

Existem vários indicadores de desempenho empresarial que podem ser utilizados para que você tenha um melhor acompanhamento.

 

Veja quais são eles abaixo e entenda a importância de cada um deles.

 

Indicadores de RH

Essenciais para a gestão de pessoas, os indicadores de RH são primordiais para uma análise de maior direcionamento e cuidados nesse setor da empresa.

 

Os mais utilizados, são:

 

Percentual de vagas fechadas no prazo

Com relação direta ao processo de recrutamento e seleção, ele mostra qual o desempenho do RH de preenchimento de vagas.

 

Veja abaixo como conseguir medir esse percentual com precisão:

  • Vagas no prazo (%) = vagas fora do prazo ÷ total de vagas x 100.

É importante destacar que não há um padrão ao certo, porém, é preciso que esteja o mais perto possível de zero.

 

Índice de rotatividade

O indicador de RH do qual verifica o turnover da empresa, verificando assim o entusiasmo dos funcionários, qualidade do clima organizacional e a eficiência em retenção de talentos.

 

É comum que empresas enfrentem rotatividade de colaboradores, porém, quando números muito altos, há a indicação de que algo está errado, ainda mais pelo alto custo na companhia.

 

Nesse caso, o cálculo executado é:

  • Turnover (%) = profissionais que saíram da empresa ÷ quantidade de trabalhadores no mesmo período x 100.

Índice de satisfação dos funcionários

Diferente do índice anterior, esse indicador pode ser calculado de forma exata.

 

Nesse caso, basta identificar o nível de lealdade e contentamento de cada um, onde geralmente é usado a ferramenta de E-NPS – Employee Net Promoter Score -, que verificar esses índices em uma escala de 0 até 10.

 

Assim, as perguntas devem ser direcionadas e avaliadas entre 0 até 10, como:

  • Qual seu nível de felicidade no seu ambiente de trabalho de 0 a 10;
  • Qual a probabilidade de você indicar alguém para trabalhar nessa empresa de 0 a 10.

Retenção de talentos

Quando um RH é capaz de criar mais estratégias de manutenção e ações para reter talentos, esse é um ótimo indicativo de um time diferenciado.

 

Toda empresa possui aqueles funcionários dos quais não deseja-se perder, sendo assim, é de suma importância que exista um trabalho para manter a satisfação.

 

Taxa de abstenção

Essa taxa é medida quando há um grande índice de abstenção obrigatória ou funções aplicadas a função, sendo assim, pode ser um indicativo de que há um grande problema.

 

Quando muito alta, demonstra a falta de interesse ou engajamento por parte da equipe, além de gerar grandes desfalques na entrega de demandas.

 

Nesse caso, é preciso usar a seguinte fórmula para cálculo:

  • Absenteísmo (%) = horas que não foram trabalhadas ÷ horas que foram trabalhadas X 100.

ROI de treinamento

Conhecido como Return On Investiment, ele é propriamente usado para negócios, sendo assim, debate diretamente os índices de investimentos da empresa, mostrando o que vale a pena ou não.

 

A fórmula utilizada para calcular o ROI é:

  • ROI (%) = (ganho conquistado – valor inicial do investimento) ÷ valor inicial do investimento x 100.

Quer saber mais sobre os indicadores obrigatórios do RH? Saiba mais no podcast abaixo de Marcelo Germano!

 

Indicadores de produtividade

Nesse caso, os indicadores de produtividade mais utilizados, são:

 

CAC (Custo de Aquisição de Clientes)

Esse indicador demonstra o quanto a empresa gastou para conseguir angariar um novo cliente.

 

Nesse caso, são somados os valores investidos nas campanhas – de marketing, vendas RH e tantos outros -, sendo divididos pelos números de clientes.

 

Quanto menor for essa quantia, mais é a eficiência para conseguir conquistar mais clientes.

 

Ticket médio

Já essa métrica mostra a média do valor que os clientes retornam para a empresa no quesito financeiro.

 

É levado em consideração a divisão do faturamento mensal pela quantia de clientes que estão ativos durante o período analisado.

 

Churn

Esse índice demonstra a taxa de clientes que a empresa acabou perdendo dentro de determinado período de tempo.

 

Esse número deve ser o menor possível, caso contrário, é primordial que a empresa tome os próximos passos para mudar essa condição.

 

NPS

Um dos mais famosos, o Net Promoter Score mede qual o grau de fidelização dos clientes com a empresa em questão, onde seu resultado é decorrente de um método de pesquisa de satisfação clássico.

 

Ele geralmente é uma análise entre 0 até 10 de quanto o consumidor indicaria o produto ou serviço adquirido.

 

ROI

Conhecido como retorno sobre investimento do inglês, ele é usado para cálculos de quanto ganha-se ao investir em certo projeto, analisando desde seu custo inicial até o retorno financeiro final.

 

Para o uso dele, basta que tenha o valor aportado e o retorno que foi obtido. Quanto maior for o ROI da empresa ou projeto executado, melhor.

 

Taxa de crescimento de vendas

Avaliar o crescimento de vendas é preciso para verificar como têm-se desenvolvido de acordo com o passar do tempo.

 

Mas, nesse caso, é preciso relacionar a quantidade total de venda entre dois períodos, calculando a variação da qual foi sofrida em termos percentuais.

 

Tempo médio de resposta aos clientes

Tanto em ações de pré ou pós venda, é comum que os interessados no produto tenham muitas dúvidas, sendo assim, é nesse momento que é calculado em quanto tempo isso acontece.

 

Nível de assiduidade do time

Nesse caso é avaliado qual a presença e assiduidade dos funcionários em relação a empresa: há muito atraso? Muitas incidências de falta?

 

Essa taxa pode representar que há algo grandemente errado com a cultura organizacional da equipe, sendo preciso uma avaliação completa.

 

Veja abaixo mais informações no vídeo de Marcelo Germano sobre como medir a produtividade da equipe por meio dos indicadores já apresentados.

Indicadores de desempenho logístico

Aqui existem indicadores especificamente desenvolvidos para esse setor, que são:

 

Prazos de entregas

Aqui há a identificação de possíveis problemas no processo de atendimento dos pedidos, além da quantidade de tarefas solicitadas e aquelas que foram atendidas dentro do prazo estipulado.

 

Quando o indicador está baixo nesse quesito quer dizer que novas medidas precisam ser adotadas, seja um novo planejamento, uma nova implementação de sistemas ou ordem de serviços.

 

On-Time In-Full

Conhecido como um processo de logística, ele é um dos indicadores de maior importância por conseguir visualizar mais sobre a entrega de organização baseando-se em simples pontos, como:

  • Entregas realizadas dentro do prazo;
  • Eficiência de atendimento;
  • Dano zero ao produto.

Custos de transporte e armazenagem

É essencial que a empresa saiba como reduzir os custos ao máximo, mas, tudo isso sem interferir na qualidade de entrega do item.

 

Dessa forma, costumam ser divididos entre várias etapas, como:

  • Processamento de pedidos;
  • Setor da administração;
  • Estoque;
  • Custos finais;
  • Transporte até o cliente.

Depois disso, há a possibilidade de verificar a quantia de cada fase desse processo e assim, ter as quantias de gastos específicos.

 

Perfect order rate

Nesse caso mede-se a eficiência da cadeia de suprimentos, baseando-se na quantia dos pedidos que foram recebidos, processados, enviados e recebidos sem que nenhum problema tenha acontecido.

 

Quando há uma maior eficiência nesse quesito, há clientes mais satisfeitos, diminuindo a quantidade de trocas e devolução de produtos e assim, consequentemente mais lucro para a empresa.

 

Indicadores de desempenho de processos

Aqui nesse caso alguns dos indicadores que ganham destaque nesse quesito, são:

  • Indicadores de capacidade: relação entre a quantidade de produção e o tempo necessário;
  • Indicadores de produtividade: resultado entre as saídas geradas em um trabalho e os recursos que foram usados para isso;
  • Indicadores de qualidade: o cálculo é feito com base nas saídas totais e àquelas de uso, das quais não englobam defeitos ou inconformidades;
  • Indicadores de lucratividade: relação entre o lucro e as vendas totais;
  • Indicadores de rentabilidade: relação entre a quantidade de lucro e o que foi investido na empresa;
  • Indicadores de competitividade: esse indicador é a relação da empresa com a concorrência, usando geralmente o market share nesse caso;
  • Indicadores de valor: quantidade entre o valor percebido de recebimento e o valor que foi gasto para essa obtenção.

Clique no podcast abaixo e acompanhe mais sobre quais são os relatórios que cada departamento deve ter para que bons indicadores sejam gerados:

 

10 indicadores de desempenho para acompanhar na empresa

Pensando em começar a acompanhar os melhores indicadores de desempenho, porém, não sabe quais são eles? Veja abaixo quais são os mais recomendados!

10 indicadores de desempenho para acompanhar na empresa

 

1.Geração de leads

Quando há um novo visitante em seu site, ele é apenas mais um desconhecido, porém, quando você possui informações mais específicas sobre esse indivíduo, ele passa a se tornar um lead.

 

Dessa forma, o processo de geração de leads é utilizado para identificar os clientes com mais potencial de compra, onde geralmente eles são atraídos por meio de conteúdos relevantes e landing pages, por exemplo.

 

Ao investir em geração de leads você tem muito mais oportunidade de negócio, isso porque a atração do público é muito mais certeira, visto que são pessoas que possuem interesse genuíno no produto oferecido.

 

Além disso, há um aumento na produtividade do time de vendas, isso porque já há um direcionamento mais aplicado de quem está disposto a comprar.

 

2. Ticket médio

O ticket médio é o valor aproximado de vendas realizadas por cliente.

 

Para realizar esse cálculo é muito fácil: basta dividir o faturamento total pela quantidade de vendas obtidas durante o período.

 

Essa métrica é de suma importância para que as empresas saibam como executar a elaboração do planejamento de vendas e melhorar os resultados em questão.

 

Mas, vale a pena lembrar que ele deve ser calculado com base em valores anteriores, do contrário, não será possível ter essa noção dos negócios.

 

3. Taxa de conversão

Essa é uma métrica utilizada para verificar quantas pessoas passaram pelo processo do funil de vendas para a outra, independente se são visitantes dos quais eram leads.

 

Aqui é de suma importância entender que esse indicador não é somente uma métrica de vendas, mas sim, um número do qual deve ser analisado para compreender as demais oportunidades em todo o funil.

 

4. Custo por aquisição do cliente (CAC)

O CAC é o investimento médio do qual a empresa faz para que possa-se conquistar um cliente.

 

Por exemplo: se os investimentos em aquisição de clientes é R$5 mil e são 100 clientes adquiridos ao mês, o CAC será de R$50,00.

 

Esse cálculo deve ser feito levando-se em conta os investimentos aplicados e os novos clientes que estão atrelados ao mesmo período.

 

Geralmente esse custo é feito mês a mês, mas, pode variar de acordo com os dados aplicados em cada negócio.

 

5. Faturamento

O faturamento nada mais é do que a soma total de vendas de uma empresa dentro de certo período, tudo isso derivado de sua atividade comercial.

 

Por exemplo, se uma loja vende calçados, o valor do faturamento será o total que foi angariado pela venda dos sapatos durante o tempo estabelecido.

 

É por meio da quantia do faturamento que uma empresa pode ser enquadrada como MEI, microempresa ou tantas outras possibilidades.

 

6. Lucratividade

A lucratividade é um dos indicadores mais utilizados no quesito de eficiência operacional na forma de valor percentual, do qual mostra qual o ganho que uma empresa consegue gerar diante dos serviços ou produtos vendidos.

 

Ela diz muito sobre a competitividade do negócio e o posicionamento da empresa por entre os concorrentes.

 

Veja um exemplo abaixo: se uma empresa tem o lucro de 10%, quer dizer que a cada R$1 mil vendido, R$100 são lucro, visto que o restante já fez o pagamento de despesas e impostos.

 

7. Endividamento

O endividamento nada mais é do que ter parcelas de compras ou contas que ainda vão vencer.

 

Dessa forma, pode ser aquele equipamento que foi recém comprado, aquele móvel novo adquirido… essas são algumas possibilidades de endividamento mais comuns do empresário brasileiro.

 

O endividamento pode ser visto com olhos negativos, porém, dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) mostram que cerca de 66,3% dos brasileiros estavam endividados em 2020.

 

8. Clima organizacional

O clima organizacional é a união da opinião e dos sentimentos dos profissionais em relação ao ambiente corporativo.

 

Assim, as pessoas tendem a reagir de certo modo às demandas instauradas no dia a dia, impactando de forma negativa ou não na entrega de resultados da empresa.

 

É de responsabilidade do Recursos Humanos ficar atento sobre quais podem ser os impactos negativos que podem afetar o clima organizacional, além das medidas positivas necessárias.

 

É nesse ponto que uma cultura organizacional forte é essencial para motivar a equipe, principalmente em momentos mais complicados.

 

9.Turnover

Conhecido comumente como taxa de rotatividade de funcionários, é esse indicador que demonstra qual a quantidade de funcionários que não fazem mais parte do quadro da empresa dentro de determinado período de tempo.

 

É interessante compreender que todas as empresas possuem taxa de rotatividade, porém, quando esses índices são muito altos, pode significar que algo está errado.

 

Nesse quesito, pode ser uma administração ruim, falta de infraestrutura, valores abaixo da média e tantos outros motivos.

 

Vale a pena uma atenção específica do RH para descobrir quais são as principais causas, atentar-se para a cultura organizacional da empresa e convívio diário por entre os demais trabalhadores.

 

10. ROI (Retorno sobre investimento)

ROI é a sigla em inglês para Return on Investment, usada para saber quanto dinheiro a empresa está perdendo ou ganhando por meio das diferentes aplicações realizadas em setores específicos.

 

Ele é um dos indicadores mais importantes para visualizar os resultados finais relacionados a cada ação ou campanha da empresa.

 

Assim, é com base no ROI que deve-se planejar metas e resultados possíveis de serem alcançados, verificando se vale a pena ou não realizar ou prospectar certos desenvolvimentos.

 

Clique no vídeo abaixo de Marcelo Germano e leia mais sobre o que são os indicadores empresariais e saiba como aplicá-los no dia a dia de seu negócio!

 

Uma empresa da qual não possui metas ou nem um tipo de organização não possui bons resultados e nem terá muito tempo de vida útil.

 

Isso acontece porque o sucesso de um negócio está diretamente ligado a uma gestão organizada, com metas e objetivos bem estabelecidos.

 

Veja abaixo as instruções de como fazer os indicadores de uma empresa de forma fácil e simples. Acompanhe:

 

Definir os processos de monitoramento

Aqui você deve verificar quais são aqueles que agregam mais valor ao produto ou serviço oferecido, melhorando assim a entrega para o cliente.

 

Tenha foco e atenção nos níveis de satisfação do cliente, em atrasos de entrega, produtos com defeitos e tudo aquilo que pode impactar na venda.

 

3 conceitos básicos

Existem três conceitos básicos que devem ser seguidos para compreender de vez as diferenças entre os indicadores e suas funções:

  • Objetivo: onde você deseja chegar com a empresa?
  • Indicador: qual o desempenho deve ser usado para auxiliar esse objetivo;
  • Meta: é importante traçar qual é o ponto “final” – faturamento de “xis” valor, quantia de tantos pedidos alcançados.

Depois de realizar essa estrutura, é a hora de aplicá-los no dia a dia e começar a ver os resultados.

 

Método SMART

Derivado do inglês, a sigla SMART é derivada de 5 palavras em inglês, que são:

  • Specific – Específico: o que será feito, quando, onde e porque;
  • Measurable – Mensurável: se pode ser contado em números;
  • Attainable – Alcançável: se é possível de ser executado;
  • Relevant – Relevante: se é importante para a empresa nesse exato momento;
  • Term – Prazo: qual será o prazo determinado para que aconteça.

Assim, têm-se uma estrutura completa do que deve ser feito, como deve ser feito e quais são as ações essenciais para que isso aconteça.

 

Como analisar indicadores de desempenho?

A análise dos indicadores pode ser feito de uma maneira individual ou pessoal de cada empresário. Porém, veja abaixo um guia simples que você pode começar a aplicar em sua companhia agora mesmo:

  • Análise de tendência: compare com as quantias anteriores – dos meses ou outras métricas;
  • Ações adotadas: analise o que foi modificado, como isso auxiliou em certa melhoria ou intervenção;
  • Próximas ações: quais são os próximos passos que a empresa irá, o que espera-se do próximo ciclo;
  • Fato: é de suma importância deixar registrado o que será feito nos próximos passos por meio de documentos ou artigos;
  • Oportunidades ou ameaças: analise o que poderá ser negativo, positivo e como isso impacta em toda a organização;
  • Ações de segmento: baseando-se na raiz, deve-se adotar uma ação próxima.

Agora que você já tem uma noção mais direcionada e sabe exatamente como entender melhor as análises de desempenho de sua empresa, não deixe de aplicar as instruções o quanto antes e visualizar os resultados incríveis.

 

Se você precisa de ajuda para aprender a fazer uma gestão empresarial profissional inscreva-se no Programa EAG. No treinamento, você aprenderá a analisar indicadores e assumir o comando da sua empresa, fazendo com que ela funcione e dê resultados sem a total presença de um dono.